Marketing

Marketing na Educação em tempos de crise: como criar o melhor conteúdo

As instituições de ensino tiveram que se reinventar e criar soluções para continuar produzindo conteúdo com criatividade e credibilidade.

O mundo vive um dos momentos mais complicados e delicados de sua história. Milhares de mortes e pessoas doentes espalhadas ao redor do globo. A preocupação das pessoas está focada na pandemia do Covid-19. Sua atenção está nas manchetes de revistas e jornais especializados, além dos noticiários televisivos que ganharam mais espaço e relevância.

Contudo, devido a quarentena, o aumento de pessoas conectadas em redes sociais e em serviços de streaming subiu consideravelmente. Tanto que algumas empresas de telecomunicações, como a Oi e a Telefônica, decidiram unir-se para manter a qualidade dos serviços.

Mas, daí você se pergunta, qual impacto uma pandemia pode gerar em uma escola, curso ou faculdade? A resposta é TOTAL! Desde o início da quarentena, as instituições adotaram medidas para conter o avanço do Coronavírus. Entre elas, a suspensão das aulas presenciais.

Com essa resolução, muitas instituições transferiram suas aulas para o ambiente virtual, através de plataformas de ensino online. Contudo, não só as aulas sofreram mudanças. As estratégias de marketing e relacionamento tiveram que ser alteradas

Levando em conta, particularmente, as redes sociais, como Instagram e Facebook, a mudança foi radical. Muito se discute sobre a melhor comunicação para essas instituições, contudo o que era observado, pré-pandemia, é a padronização desse conteúdo.

Em todo o Brasil, “vender educação” (explicarei o conceito mais a frente), sempre foi um desafio. Quais as melhores estratégias na hora de divulgar um determinado curso ou instituição?

Nota-se que em sua maioria, essas empresas optam por usar recursos ligados a preço/venda. Campanhas ligadas a descontos nas mensalidades ou bolsas para tipos específicos de aluno.

Que fique claro, não estou recriminando essa fórmula que tem funcionado há anos. Estou aqui para apontar um outro caminho. Caminho este criado graças a uma situação extrema. A pandemia fez algumas instituições repensarem o seu marketing e suas ações de relacionamento com seguidores e futuros alunos.

Vamos sair do lugar comum?

Pessoas querem ver pessoas. Querem se identificar, se ver! Em um momento de distanciamento social, nunca tornou-se tão imperativo para as marcas aproximarem-se de seu público.

Como? Através de informação. Conteúdo de qualidade e credibilidade. As áreas de comunicação de marketing devem estar atentas as demandas e as notícias mais atuais. E, nunca se esqueça: esse conteúdo deve ter relação com o seu público.

O aluno de ensino médio NÃO tem os mesmos anseios e expectativas que o universitário. Entenda quem são seus seguidores e os consumidores das informações divulgadas. A linguagem fará diferença no desenvolvimento dos seus posts ou matérias para seu site.

Em resumo, você deve se preocupar com:

Fontes confiáveis

Na hora de desenvolver sua matéria ou divulgar uma informação PESQUISE e APURE com especialistas (#forafakeNews);

Quem é meu público?

Tenha definido quem é seu público-alvo e melhor ainda, saiba quem é sua persona (consumidor ideal). Dica: pergunte a ele!

O que meu público quer consumir?

Conhecendo seu público é possível criar conteúdo direcionado. Fique sempre atento ao engajamento dos posts e a quantidade de acessos em seu blog. Foque nos conteúdos com mais engajamento;

Como criar engajamento

Seja INTERESSANTE! Não fique no lugar comum. Capriche no layout e na linguagem (observe erros de português e se é necessário o uso de linguagem culta).

Use ferramentas gratuitas

O Instagram e Facebook fornecem diversas ferramentas gratuitas para gerar engajamento. Que tal criar uma enquete ou um Quiz? Quem sabe desenvolver uma live com convidados? Seja criativo! – lembre-se de convidar pessoas que dominem o assunto para suas transmissões, ninguém quer pagar mico ao vivo (sic).

Aproveite o Home office pra colocar ordem na casa

Planejamento é TUDO! Use o tempo extra para planejar suas próximas semanas. Monte uma planilha e deadlines de materiais e textos. Controle os resultados e os compare.

Por tanto, seja aquele profissional que dará essa virada no jogo. “Vender educação”, nada mais é do que ser a melhor opção para o aluno. Usei essa expressão, exatamente para incomodar. Podemos usar uma expressão tão comercial para nos referimos a educação? (reflita).

Os profissionais, que como eu, atuam nessa área, conhecem suas limitações e desafios. A responsabilidade deve permear nosso trabalho, mas uma coisa é clara, é hora de se reinventar.

Quem vem comigo?

Comente!

Priscilla Thevenet

Priscilla Thevenet é jornalista, especialista em marketing digital e eventos. Coordenadora de marketing da Faculdade Ensine e organizadora da Feira do Livro de Juiz de Fora (FLIJUF)